Somos aquilo que comemos

Quando pensamos em investigação em animais é provável que a primeira imagem que nos surja seja a de um pequeno mamífero, como o ratinho da imagem, usado em investigação biomédica. De uma forma geral, estamos cientes das repercussões que este tipo de investigação tem na vida quotidiana, nomeadamente na nossa saúde. Mas com mais dificuldade nos apercebemos que quando vamos a um (vulgar) mercado comprar peixe podemos ter à nossa frente um produto que é o resultado de um trabalho de investigação tão intenso e meticuloso como a aspirina que compramos na (asséptica) farmácia.

Photo Credits: Rita Colen, AQUAGROUP

Na última edição da Revista Pública, é-nos dado a conhecer o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na área da aquacultura em Portugal. Guiados pela investigadora do CCMAR Maria Teresa Dinis, viajamos desde os ensaios experimentais nos anos 80 – numa altura em que o oceano era ainda visto como uma fonte de recursos inesgotável – até aos dias de hoje em que mais de metade dos stocks marinhos estão sobre-explorados e o cultivo se prepara para ultrapassar as pescas de captura como a principal fonte mundial de peixe para consumo. Projectos como o SEACASE caminham no sentido de explorarmos os nossos recursos marinhos de forma mais sustentável (do ponto de visto social, económico e ambiental) mas cabe-nos a nós, consumidores, tomarmos decisões responsáveis e informadas.
E o leitor, sabe de onde provém o peixe que consome?